segunda-feira, 13 de junho de 2016

Sobre o Sonho Nascido

Já passam das dez da noite e eu estou aqui sem ter tanta certeza do que dizer sobre o quão o dia de hoje foi, está, especial. Grandessíssima novidade em se tratando de alguém cujas certezas tem a duração de um sopro. Às vezes dois sopros, ou vinte. Sei lá. Eu gosto dos sopros, dos ventos, dos ares.

Depois de tantos anos de conversa com um amigo aqui, outro acolá, mais alguns ali a uns dois passos, estou à beira de parir um livro. O livro. Não sei se serei boa mãe sequer de um, avalie vocês se planejo uma penca de filhos de papel com linhas inquietadas. Não sou boa em planejamentos.

Chama-se “Pés de Sonho” o meu primogênito e está agora disponível no site do Instituto Memória dando início nesse treze de junho às pré vendas planejadas, repare lá o planejamento outra vez, de exatos cem exemplares a fim de garantir a publicação. Sem esse número par, duas vezes cinquenta,  meio surreal em se tratando de alguém que sequer é boa em vender rifas de liquificador, nada de pés de sonho crescido.

Do que ele é feito? Dos sonhos, feito se entrega no próprio nome de batismo; das coisas de sempre, que vocês já conhecem desse canto e de outros, da minha alma em rebuliço; do meu olhar às vezes ligeiro, outras preguiçoso; do cotidiano, da dor, das alegrias... de amar e viver.

Eu, quando tudo estava pronto, conversei com meus irmãos sobre achar o preço um tanto suntuoso e questionando como eu faria pra convencer as pessoas a comprarem comigo esse sonho. Ela amorosamente apenas disse pra eu mesma começar a acreditar no meu trabalho, senão como os outros o fariam? Então, é assim o descombinado, a ninguém tentarei convencer a gastar cinqüenta reais garantindo que a leitura é boa, ou revolucionária, ou qualquer coisa que o valha.

Já adianto um pedido de paciência aos meus amigos que, assim como eu, acha pouca graça em ser marcado em postagens infinitas, isso decerto me constrange. Mas, vocês sabem, é preciso uma certa dose de inconveniência nessa vida e eu estou agora me valendo da minha. Sei que saberão me compreender e esperar. Eu esperanço.

Eu espero que quem se atreva a cometer esse ato de absurda amizade e apoio, que é o de entrar no site e comprar esse livro, que goste da leitura, que talvez se emocione e lance risos doces, que sinta e se alegre. Que saiba que eu serei, sempre, envaidecida e grata.

E Rodolfo, se eu daqui atirar bem pro alto um desses livros azuis apelidado de sonho, lá das estrelas onde ele está morando, haverá de segurá-lo? Não fosse ele, não fossem eles. Eu tenho amigos e isso é verdadeiramente bom.




3 comentários:

  1. Parabéééns, Milene! Ótima iniciativa! A meu ver sua forma de escrever é das mais bonitas e peculiares da blogosfera, acredite no seu sonho!
    Comprei o exemplar, falta apenas o pagamento, mas tive algumas dificuldades para fazer o cadastro. Espero que outros não tenham as mesmas dificuldades (por exemplo, no campo do telefone não pode-se colocar o DDD).
    Não tentou publicar no Clube dos Autores? Pode ser uma boa ideia!
    Abraços, e sucesso!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! E com certeza fará sucesso, Milene. Vc escreve deliciosamente bem. Ter amigos é tudo de bom msm. Bjão!!!!!

    ResponderExcluir